Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Erre Grande

Diário motivacional de quem sabe o que quer: viver, aprender e crescer profissional e pessoalmente.

Erre Grande

Diário motivacional de quem sabe o que quer: viver, aprender e crescer profissional e pessoalmente.

Trinta doses #1

Sabem o que se passou no Erre Grande em Outubro? Como foi o nosso mood? Quais foram os temas de que falamos mais?

 

Aqui fica a lista de assuntos no mês de Outubro:

 

Começámos com um grande incentivo ao empreendedorismo, às pessoas que não se conformam, às pessoas especiais que podem ter uma atitude e personalidade irrequietas que faz com que não foram feitas para ter um chefe;

 

O segundo Fica a Dica foi um texto fantástico da Danielle Koepke, sobre ultrapassar os maus momentos;

 

Percebemos que as pessoas criativas estão sempre em modo ON e que tirar férias e desligar nem sempre é fácil;

 

Aprendemos as regras da vida, com a Emma Watson;

 

Depois de toda a confusão, tirámos uns minutos para reflectir sobre a crise dos Táxis Vs Uber;

 

- Contamos a história do meu primeiro salário e de como é importante ter uma relação saudável com o dinheiro;

 

- Apresentei-vos o meu Instagram de fotografia, o On The Wave;

 

- Escolhemos tempo em vez de dinheiro, tal como o New York Times recomenda;

 

- Decidimos ter uma vida mais leve, simples, e com muito menos tralha;

 

- Acabámos o mês e preparamo-nos para o feriado, com a certeza de que no final tudo corre bem.

 

Para ler e reler; e esperar até à próxima Trinta Doses.

 

Sobre a Ivanka Trump

As eleições americanas já começaram e só saberemos o destino deste país daqui a uns dias mas os ânimos já estão quentes há muito tempo, desde logo com a nomeação de Donald Trump.

Todas as suas intervenções têm posto as pessoas em alvoroço. Há os seus ferverosos fãs e os seus ferverosos oponentes, maioritariamente celebridades, que estão a dar tudo por tudo para que Trump perca e saia da cena política (e talvez dos Estados Unidos) para não fazer mais estragos ou dizer mais disparates.

Trump trouxe para a sua campanha a sua filha Ivanka Trump, responsável pelas operações do império de hotelaria de Trump, e se no início ela até poderia estar a ajudar a melhorar a imagem do pai, agora talvez seja Ivanka que precisa de salvação.

IvankaTrump.jpg

 

Milhares de pessoas estão a fazer um boicote à marca de roupa de Ivanka, como forma de protesto contra Trump. Shannon Coulter, que começou a campanha no Twitter, dirige-se a lojas que comercializam a marca, como a Nordstrom, explicando que "o discurso de ódio dirigido a afro-americanos, latinos, judeus, mulçumanos, à comunidade LGBT e a mulheres feito pela campanha Trump é inaceitável e não representa os valores da Nordstrom. Ainda assim, a Sra. Trump continua a defender o discurso e a Nordstrom a defender a Sra. Trump".

 

Nos primeiros dias, ninguém ligou muito ao boicote mas representantes da marca notaram um decréscimo nas vendas e nas visitas ao website, o que pode ser um impacto directo desde movimento, que despoletou 119 milhões de reações no Twitter. Sheelah Kolhatkar, colunista do The New Yorker, diz que Ivanka pode estar mesmo em risco de ver a sua marca arruínada pela extensa campanha presidencial do pai, apesar de dizer que a marca vai sobreviver com as seguidoras de Ivanka, mulheres trabalhadoras que partilham algumas experiências laborais com a executiva.

Ivanka responde que "a minha marca foi criada muito antes desta campanha e por isso, independentemente do resultado, ela vai continuar a existir" e que gosta de manter a sua vida profissional e a campanha do pai completamente separadas.

 

Sigo a Ivanka há vários anos e gosto daquilo que ela defende: no seu slogan "Women Who Work", ela é uma defensora dos direitos humanitários e do feminismo, divulgando no seu website  conteúdos para ajudar as mulheres a serem bem sucedidas, com conselhos profissionais, de carreira, de lifestyle e moda. Ela foi presença activa na campanha do pai, sempre elogiando-o e defendendo-o, dizendo que não reconhece o perfil do pai retratado na imprensa.

Seguramente que não sou apoiante do Trump nem gosto do seu discurso, mas sou fã da Ivanka, por aquilo que a sua marca defende e representa. Sei que essa marca possivelmente vai sofrer um pouco mas não podemos confundir as coisas. Quem está a jogar para ser presidente é Donald, não é Ivanka. Se fosse Ivanka, ela própria teria uma campanha completamente diferente, com discursos que reflectiam os seus valores e objetivos, e não os do pai.

O mesmo acontece com Hillary Clinton, quando falam das traições do marido. Não é Bill que está a jogar para ser presidente, mas sim Hillary. Ela tem a sua própria história política, valores, objetivos e considerações que são diferentes das do marido. Que eu saiba, ela não esteve envolvida em nenhume escândalo sexual (até ver) e por isso da mesma forma que Ivanka não pode ver o seu trabalho a ser penalizado pelas desvarios do pai, também Hillary não pode ser penalizada pelos desvarios do marido. Cada macaco no seu galho, como se costuma dizer.

 

Com resultados mais ou menos favoráveis para Trump, a verdade é que se a Ivanka continuar o seu trabalho profissional de empreendedorismo do feminismo, então a sua marca irá vingar e ficar, não só porque as pessoas se vão esquecer desta terrível campanha eleitoral, como também o trabalho, quando continuado e inovado, traz sucesso, a médio e longo prazo.

Para comprar online

Quando esta semana apercebi-me de que as últimas compras que tinha feito eram online, quis escrever sobre o assunto porque acredito que haja imensas dúvidas.

Todos conhecemos as lojas online puras, em que só se podem encontrar os artigos online; e as lojas online que pertencem a lojas físicas, muitas vezes as de roupa, como uma forma de ter dois sítios para escoar o seu stock. Todos passamos horas e horas na internet à procura de coisas online, muitas vezes para compararmos preços ou encontrarmos alguma promoção. E a verdade é que as notícias dizem que cada vez mais gostamos de comprar online mas ainda assim, ainda gostamos de ir à loja experimentar, ver com olhos de ver, para termos a certeza do produto que vamos comprar.

Sei que este pode ser um primeiro entrave para as compras online mas o que mais noto nas minhas amigas são as dúvidas quanto ao pagamento online.

 

Há varias lojas portuguesas que aceitam transferência bancária ou até mesmo pagamento Multibanco. Eu utilizo Paypal, que é como se fosse uma carteira digital, e para mim é a maneira mais fácil, rápida, e 100% segura. Ainda assim, as pessoas ficam ainda mais desconfiadas.

 

Sempre tive boas experiências de compras online e portanto, dado à minha experiência, recomendo seguirem os seguintes passos para fazerem compras de forma tranquila e segura:

 

- Veja se o website é fiável. Há tantos anúncios falsos no Facebook que às vezes notamos que algumas páginas não têm "bom aspecto". Confiram se tem vários métodos de pagamento, políticas de envio, comentários de utilizadores;

 

- Quanto às políticas de envio, certifique-se sempre do TEMPO que demora a chegar (uma coisa é dias úteis, outra é dias de envio), se enviam para o vosso país e quanto é que vai custar esse envio;

 

- Verifique as políticas de devolução. A devolução do dinheiro é assegurada mas o envio dos produtos pode não ser. Para não ter o risco de devolver, compre coisas mais gerais, como malas, acessórios, bijuteria ou decoração;

 

- Se for comprar roupa ou sapatos, veja a tabela de tamanhos e meça-se em tudo. Para casacos, aconselho ver bem os ombros e a largura à volta do braço; para calças, é muito importante saber se são skinny ou straight; e para vestidos, veja se o tamanho do vestido vos vai ficar acima ou abaixo do joelho, basta medir a altura;

 

- Se quer perder mais algum tempo, veja se o mesmo produto se encontra em vários websites semelhantes. Um outro website pode parecer melhor e com uma melhor promoção actual;

 

- Para fazer compras na Amazon ou Ebay, verifique SEMPRE o perfil do comprador. Quantas mais estrelas tiver, mais seguro é o vendedor e veja no perfil as críticas neutras ou negativas, para perceber há quanto tempo foram e de que se tratam;

 

- Se não se sente à vontade com cartões de crédito, pode sempre pagar com Paypal ou então crie o seu cartão fictício com o MBNET. Para websites portugueses, ainda há a possibilidade de transferência bancária ou então o confortável pagamento Multibanco. Antes de comprar, veja qual a solução de que mais gosta e se o website tem essa solução;

 

- Não tenha medo de experimentar! Faça uma compra pequena para perceber o quão fiável é o website e não tenha receio quanto aos pagamentos. Pode colocar os dados de um cartão mas se não carregar OK, a compra não fica feita. Pode deixar os produtos no carrinho de compras e a compra também não fica feita.

 

Comprar online pode ter as suas desvantagens ou riscos, mas cada vez há mais lojas disponíveis em Portugal para se fazer compras online seguras e confortável, em que só temos de esperar dois dias úteis para receber as encomendadas comodamente em casa. Tentar não custa (muito) e eu sei que quando apanhar o vício, não vai querer outra coisa!!

 

Pág. 2/2